É desta, Ott?

É desta, Ott?

Tudo aponta para que esta temporada seja finalmente quebrado o domínio de Ogier no Mundial de Rali. O campeão do mundo foi francês nos últimos 15 anos, com os dois Sébastien (primeiro Loeb e depois Ogier) a dominarem. No entanto, a 4 provas do fim (Turquia, Reino Unido, Espanha e Austrália), o estónio Ott Tänak tem tudo para ganhar o seu primeiro campeonato e quebrar o ciclo. O piloto da Toyota pontuou em todos os eventos e ganhou 5 dos 10 até agora realizados (Suécia, o estreante Chile, Portugal, Finlândia e Alemanha) enquanto que os seus rivais mais próximos, Thierry Neuville (Córsega e Argentina) e Ogier (Monte Carlo e México), ganharam apenas dois.

Ott Tänak tem atualmente 33 pontos de vantagem sobre Neuville, que por sua vez tem 7 de vantagem sobre Ogier (relembro que cada piloto pode obter no máximo 30 pontos num rally: 25 pela classificação + 5 pela vitória na Power stage).

No campeonato de construtores, a Hyundai mantém até agora a liderança, a 8 pontos da Toyota, sendo que a Citröen e a M-Sport/Ford estão já a 73 e 121 pontos, respetivamente. Para já, a estratégia dos sul-coreanos parece estar a resultar, com Neuville como cabeça de cartaz, Mikkelsen a fazer grande parte dos rallys no segundo carro, e o terceiro a ser partilhado por Dani Sordo, Sébastien Loeb e Craig Breen, que vão rodando e participando nos rallys com as características mais favoráveis a cada um. No entanto o trio fixo da Toyota, com Ott Tänak, Jari-Matti Latvala e Kris Meeke, garante não só experiência como consistência, sendo que a liderança da Hyundai pode cair em breve sem grande surpresa. A Citröen tem apenas dois pilotos, o hexacampeão Séb Ogier e o finlandês Esapekka Lappi, não sendo expectável que chegue perto da luta pelo título. Ainda mais longe está a M-Sport, que depois de perder Ogier para a Citröen, ficou com Elfyn Evans e Teemu Suninen nas fileiras, bem como os estreantes Pontus Tideman e Gus Greensmith a fazerem algumas provas no terceiro carro.

Tal como esperado, este ano volta a haver 3 grandes candidatos ao título mundial, como já tinha havido no ano passado, sendo que Tänak, Neuville e Ogier demonstram estar num nível acima dos outros, e as respetivas equipas apostam neles como candidatos a ganhar o campeonato. Ainda assim, se no ano passado Ott Tänak já tinha demonstrado conseguir ser inalcançável, quando ganhou 3 ralis seguidos (Finlândia, Alemanha e Turquia), mas não foi a tempo de conseguir o título, este ano o estónio voltou a aparecer numa forma extraordinária e a verdade é que, quando quer, parece conseguir subir o nível para um patamar onde mais ninguém consegue estar. Esta época, tem um total de 5 vitórias, 2 pódios e 3 vitórias na Powerstage.

Neuville já merecia um título depois de ter ficado em 2º nos últimos 3 anos, mas a verdade é que o estónio não parece ter vontade de o permitir. O Belga tem para já 2 vitórias, 3 pódios e 1 vitória na Power stage, sendo que, exceptuando o Rally do Chile, em que teve o acidente mais aparatoso da sua carreira, acabou sempre no top-6.

Ogier seria sempre o favorito a ganhar um 7º título mundial seguido, mas a nova mudança de equipa desta vez parece que não terá o melhor desfecho. O carro da Citröen já no ano passado mostrou ter bastantes problemas e, embora pareça ter melhorado, não tem sido raro os pilotos queixarem-se de problemas na condução do carro. A marca francesa conseguiu melhorar o desempenho do carro em ralis de terra (9 das 14 provas do calendário são inteiramente em terra), mas parecem agora não estar à altura nas provas de estrada, que eram o seu ponto forte em anos anteriores. O grande desafio e principal objetivo para a próxima temporada será conseguir encontrar um maior equilíbrio para tentarem estar mais próximos dos rivais. Ainda assim, o francês conseguiu para já 2 vitórias, 4 pódios e 3 vitórias na Power stage.

A M-sport/Ford já demonstrou ter um bom carro, com Ogier a ganhar os dois últimos títulos na equipa de Malcolm Wilson, mas de momento tem o problema de, apesar da qualidade de Evans e Suninen, que têm somado boas prestações, não ter nenhum piloto com a regularidade e qualidade suficiente para conseguir lutar pelo título. Correm rumores de que Ott Tänak é o principal objetivo para a próxima temporada.

Certo é que a luta tanto pelo campeonato de pilotos como de construtores continua bem viva, e qualquer desfecho é ainda possível. Resta-nos fazer as nossas apostas e acompanhar com todo o entusiasmo as últimas 4 rondas do WRC.

Rafael Neves (no twitter como @olhaoneves) é um apaixonado por WRC, futebol (em especial a Bundesliga) e por Football Manager. Também é podcaster, no excitante Só Mais Uma Save – Um Podcast de Football Manager

A foto de capa é pertencente à organização do WRC.